Sumário Econômico 1554

PIB do terceiro trimestre registra a maior alta em seis anos - Ajudada pela baixa base de comparação do segundo trimestre, a economia cresceu 0,8% entre julho e setembro. Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) revisa a previsão em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) de 2018 para +1,4% e projeta avanço de 2,7% para o ano que vem. De acordo com dados das Contas Nacionais divulgados em 30/11 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a economia brasileira avançou 0,8% em relação ao segundo trimestre de 2018, já descontados os efeitos sazonais. A taxa observada é a maior para um terceiro trimestre desde 2012 (+2,0%), e a mais elevada para qualquer período de três meses desde o primeiro trimestre de 2017 (+1,1%). Apesar de o PIB ter acumulado avanço pelo sétimo trimestre consecutivo, ainda não é possível assegurar que as expectativas de crescimento mais acentuado tenham se confirmado a partir do terceiro trimestre.

Percentual de famílias com dívidas recua em novembro de 2018 - O percentual de famílias que relataram ter dívidas entre cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, empréstimo pessoal, prestação de carro e seguro alcançou 60,3% em novembro de 2018, o que representa uma diminuição em relação aos 60,7% observados em outubro de 2018. Também houve redução em relação a novembro de 2017, quando o indicador alcançou 62,2% do total de famílias. O percentual de famílias com dívidas ou contas em atraso, por sua vez, recuou em novembro de 2018 na comparação com o mês imediatamente anterior, passando de 23,5% para 22,9% do total. Também houve queda do percentual de famílias inadimplentes em relação a novembro de 2017, que havia registrado 25,8% do total. O percentual de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso e que, portanto, permaneceriam inadimplentes também recuou, em ambas as bases de comparação, passando de 9,9% em outubro para 9,5% do total em novembro de 2018.

Operações de crédito representam a menor proporção do PIB nos últimos anos - Dados mais recentes divulgados pelo Banco Central mostraram que o saldo das operações de crédito do sistema financeiro teve queda de 0,2% em outubro de 2018 contra o mês imediatamente anterior, após dois meses consecutivos de alta. O saldo total dos empréstimos e financiamentos alcançou o valor de R$ 3,2 trilhões no último resultado, representando 46,3% do Produto Interno Bruto (PIB). No acumulado dos últimos 12 meses encerrados em outubro deste ano, a variação foi de +3,5%, 4,0 p.p. acima da variação de -0,5% observada no mesmo período do ano anterior. Complementando essa taxa positiva, em relação à comparação anual, nos dez primeiros meses do ano, houve um crescimento de 2,4% no crédito, a sexta variação positiva seguida.

IPCA-15 registra alta de 0,19% em novembro - O IPCA-15 – prévia do índice utilizado no regime de metas de inflação – apresentou alta de 0,19% no mês de novembro, contra +0,58% em outubro. É o menor resultado para o mês desde 2003, quando alcançou +0,17%. No ano, o índice apresentou elevação de 4,03%, acima da alta do mesmo período do ano anterior. No acumulado em 12 meses, a inflação acusou incremento de 4,39%, abaixo do resultado registrado nos 12 meses imediatamente anteriores. Apesar da alta dos preços dos alimentos, a desaceleração de combustíveis e o recuo da variação de saúde e cuidados pessoais ajudaram a conter o índice.

Download

  • Sumário econômico - n.1554 | Download

Comments

0

Os comentários serão moderados, portanto evite o uso de palavras chulas, termos ofensivos ou comunicação vulgar. Se tiver alguma dúvida sobre o tema abordado aqui, use a nossa Área de Atendimento. Talvez a resposta já esteja lá.

Post new comment

The content of this field is kept private and will not be shown publicly.