CARF/Micro Juntas Indústria e Comércio Ltda x Fazenda Nacional

Crédito: Internet

1ª Turma da 2ª Câmara da 1ª Seção

Multa qualificada / desistência

Processos nº: 10920.003475/2008-95

A turma discutiu se a empresa deve pagar multa qualificada – de 150% – relativa a um pedido compensação de débitos tributários com obrigações da Eletrobras. Quanto aos tributos devidos, a companhia parcelou o pagamento do principal no Refis. Por unanimidade, o colegiado manteve a penalidade em 75%, já que os conselheiros não viram dolo no pleito de compensação.

Quanto a esse processo, a 1ª Turma da Câmara Superior havia homologado um pedido de desistência apresentado por um contador ligado à companhia. Hoje, a defesa relatou na tribuna que, após uma discussão relativa a honorários, o profissional teria desistido de 27 processos que discutiam tributos estaduais e federais.

Porém, a empresa conseguiu uma decisão liminar que tornou a homologação sem efeitos, argumentando que o contador não tinha autorização legal para pleitear a desistência da discussão administrativa. Isso porque, para determinadas competências como a desistência, o representante precisa apresentar procuração com autorização expressa e específica, e não basta a permissão generalizada.

Quando o Carf aceitou o cancelamento do litígio, a delegacia de origem também incluiu no Refis a dívida relativa à penalidade. Porém, com isso, o valor inscrito superou o limite legal do programa para renegociação de débitos, o que levou o contribuinte a pleitear o mandado de segurança no Judiciário, que garantiu a retomada da discussão no Carf.

Fonte: JOTA.info.

Comments

0

Os comentários serão moderados, portanto evite o uso de palavras chulas, termos ofensivos ou comunicação vulgar. Se tiver alguma dúvida sobre o tema abordado aqui, use a nossa Área de Atendimento. Talvez a resposta já esteja lá.

Post new comment

The content of this field is kept private and will not be shown publicly.