Artigo: O ano que valeu por cinco

AddToAny buttons

Compartilhe
Uma mensagem de confiança do presidente Tadros para que 2021 seja um ano de superação e novas conquistas
Uma mensagem de confiança do presidente Tadros para que 2021 seja um ano de superação e novas conquistas
Crédito
CNC
E-book do Consulado do Líbano do Rio de Janeiro

Para falar das expectativas em relação a 2021, vou buscar inspiração na força e na resiliência do povo libanês, tão importante para a formação do Brasil e da minha própria família. Como descendente de avó materna nascida em Beirute, me sinto grato pelas influências libanesas na minha formação. Mais do que gratidão, sinto orgulho das relevantes contribuições dos imigrantes libaneses para o desenvolvimento de todo o mundo, com a incansável vocação para o trabalho que tornou o Líbano amado por tantos povos.

Como todos sentimos na pele, 2020 não ficará para a história como um ano comum. Ele ficará marcado pela mais séria crise sanitária em pelo menos 100 anos. Desde o primeiro momento, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), as federações e os sindicatos que integram o Sistema Comércio têm acompanhado e orientado os empresários e também a população, por meio do Sesc e do Senac. Com o País vivendo a expectativa da aprovação das vacinas e de um plano de imunização, é o momento em que os olhares se voltam para o próximo ano.

O cenário de 2021 vai depender, com certeza, do desdobramento da crise sanitária que estamos vivendo. Se houver normalização, temos boas perspectivas. A economia já vem dando sinais de recuperação, mas vamos precisar manter os pés no chão, ficar atentos à dívida pública interna e evitar, com todo empenho, o aumento da carga tributária. O Brasil já não aguenta pagar tantos tributos.

Será fundamental, também, garantir um ambiente de segurança jurídica e o fortalecimento da nossa democracia, com poderes harmônicos, mas independentes entre si. Isto feito, podemos pensar em um País moderno, dinâmico, ativo e que venha a ocupar o lugar que nós sempre almejamos.

E por que eu disse que me inspiraria no exemplo do povo libanês para falar das expectativas de 2021? Pela capacidade de não se entregar, mesmo nos momentos mais difíceis.

Já tive a oportunidade de dizer, inclusive nos contatos pelo fortalecimento das relações dos nossos países, que, apesar das grandes dificuldades atuais, não tenho dúvida de que o Líbano vai se reerguer novamente e encantar mais uma vez o mundo com sua capacidade de construir e reconstruir de forma incessante. A força, a determinação e a persistência são as características que constituem a essência dos libaneses.

Nós, brasileiros, e todos os demais povos, engolfados pelos desdobramentos da crise provocada pela pandemia da Covid-19, também vamos precisar de muita persistência, fé e confiança no futuro para superar o difícil momento.

Os empresários do comércio de bens, serviços e turismo estão fazendo sua parte. A incrível capacidade de adaptação demonstrada por eles, a partir das limitações impostas pelas medidas de distanciamento social e a necessidade de fortalecimento do comércio eletrônico, ajudaram o País a superar um possível colapso de consequências inimagináveis.

E essa é uma tendência que deverá se fortalecer não apenas em 2021, mas nos próximos anos. Lembro aqui de outra frase muito repetida em 2020, segundo a qual, por força da necessidade de adaptação ao distanciamento social, tivemos que avançar cinco anos em um. É a mais pura verdade, porque não apenas o comércio, os serviços, a indústria e o agronegócio tiveram que se adaptar, mas também a população, os trabalhadores e os consumidores, com o teletrabalho e a transformação digital.

São novos tempos, com novos requisitos e desafios que, longe de nos abater, devem nos estimular a seguir superando todos os obstáculos que surgirem. Exatamente como nos inspira a trajetória do Líbano, esse grande pequeno país que nós, brasileiros, descendentes ou não, trazemos na mente e no coração.

José Roberto Tadros

Presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC)