Dirigentes do Sistema S reúnem-se com Rodrigo Maia

AddToAny buttons

Compartilhe
11 A 12 set 19
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (D), vai conduzir a tramitação do assunto junto aos deputados
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (D), vai conduzir a tramitação do assunto junto aos deputados
Crédito
Edson Chaves Filho

11/09/2019

Dirigentes de Confederações ligadas ao Sistema S se reuniram hoje (11/09) com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RS). O encontro reservado foi realizado na residência oficial e se estendeu por mais de uma hora.

“Ficamos satisfeitos com a reunião porque permitiu constatar que as três confederações presentes – justamente as que estão sob ameaça de corte de seus recursos pelo governo federal – conta com a boa vontade do deputado”, avaliou o 1º vice-presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Valdeci Cavalcante.

Ao seu lado à mesa estavam os presidentes da Confederação Nacional dos Transportes (CNT), Vander Francisco Costa, e da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, além de executivos das entidades.

Rodrigo Maia deixou transparecer aos participantes que vai aceitar conduzir a tramitação do assunto junto aos deputados, inclusive com maior amplitude. Isso porque há outras proposições que tratam do corte de recursos do Sistema.

É o caso de uma iniciativa do governo, de impor cortes entre 10% e 20% para destinar os recursos à educação. Há ainda o anteprojeto de lei apresentado pelo ministro do Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. O texto determina a destinação de 25% da arrecadação do Sistema S para o Fundo Nacional de Segurança Pública.

O presidente da Câmara, assessorado na reunião pelo deputado federal Vinicius Farah (MDB/RJ) e pelo ex-senador e hoje consultor Romero Jucá, passou, na avaliação de Cavalcante, “a forte impressão’ de que os dirigentes empresariais terão voz ativa na defesa dos interesses do Sistema S em geral e do comércio em particular.

“Com sua experiência e forma serena pela qual transita por assuntos polêmicos, Maia foi muito firme na condução do encontro, sempre falando bem dos benefícios que as instituições do Sistema oferecem aos trabalhadores dos respectivos setores e à sociedade.”

O dirigente da CNC considera importante destacar que há plena união entre as confederações que têm sob ameaça a perda de recursos financeiros de seus braços sociais Sesc, Senac, Sesi, Senai, Sest e Senat. “Tenho certeza de que essa união dará força para nos conduzir um porto seguro.”

Governo

O presidente Rodrigo Maia já quer pôr em prática o seu apoio convocando um executivo do governo federal para falar na Câmara. O nome dele foi revelado aos dirigentes das confederações, mas está sendo mantido em sigilo por uma questão estratégica.

“Ao saírmos da reunião, ficou em nós, dirigentes e parlamentares, a convicção de que é muito melhor para o governo oferecer melhores serviços à população por meio da estrutura já consolidada das instituições do Sistema S, do que optar pelo corte de recursos. E é um fato: temos uma rede de atendimento organizada, de comprovada eficiência, e, por intermédio dela, podemos ajudar o Brasil.”

Segundo o 1° vice-presidente da CNC, os participantes ficaram tão entusiasmados com a conversa a ponto de cogitar que o governo poderia até retirar recursos do seu próprio orçamento e aplicar nas ações e iniciativas do Sistema S que não estaria limitado ao teto de gastos. “Se o governo quiser ampliar a oferta de qualificação profissional, educação, saúde, lazer e serviços sociais nós topamos ajudar, desde que não haja corte de nossas receitas.

Também participaram pela CNC o vice-presidente Administrativo, Luiz Gastão Bittencourt, o diretor do Departamento Nacional do Senac, Sidney Cunha, e a chefe da Divisão de Relações Institucionais, Nara de Deus.

Participou também o presidente do Sebrae, o ex-deputado federal e ex-ministro Carlos Andrade Melles.