CNC mantém previsão de crescimento dos serviços em 2019, mesmo com queda nas receitas do setor em março

Compartilhe
15 A 16 mai 19
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
Resultado de -0,7% no volume mensal de receitas dos serviços indica trimestre perdido para crescimento da economia
Resultado de -0,7% no volume mensal de receitas dos serviços indica trimestre perdido para crescimento da economia
Crédito
Gecom/CNC

Apesar da queda de 0,7% no volume de receitas do setor de serviços, em março, na comparação com fevereiro, como demonstra a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, divulgada hoje (14/05), a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) segue apostando em uma reação do setor. A CNC revisou de +1,7% para +1,6% a projeção para os serviços ao fim de 2019, o que significaria o primeiro avanço anual do setor desde 2014.
O resultado da PMS no mês de março foi a terceira retração consecutiva no setor de serviços, acumulando uma perda de 0,6% no primeiro trimestre de 2019, em relação aos três meses anteriores, o pior resultado nesse tipo de comparação desde o segundo trimestre de 2017.

“Tivemos um trimestre com cautela nos investimentos por parte das empresas, ociosidade da capacidade instalada e mercado de trabalho fraco. Essa situação vem impedindo o avanço da economia e sugere elevada possibilidade de retração no PIB do início do ano. Mas a Confederação, observando os resultados dos últimos 12 meses e prevendo que a aprovação da reforma da Previdência vai destravar os investimentos, aposta na reação do setor de serviços, com crescimento real de receitas em 2019”, afirmou o presidente da CNC, José Roberto Tadros.

Além dos serviços, os resultados fracos se repetiram em outros setores da economia no primeiro trimestre do ano. A indústria recuou 0,7%, e o comércio varejista teve leve alta de 0,3%, muito embora esse tenha sido o menor crescimento trimestral desde os três últimos meses de 2016.

Segmentos que se destacaram

O subsetor de transportes, termômetro relevante do nível de atividade econômica, foi destaque negativo neste primeiro trimestre, com perda de 2,6% ante o trimestre imediatamente anterior. Por outro lado, os serviços prestados às famílias apresentaram crescimento de 1,1% pelo quarto trimestre consecutivo.

Avanço anual

Na comparação com o mesmo trimestre do ano passado, o volume de receita de serviços avançou 1,1% em média, os destaques foram, novamente, os serviços de transportes, com queda de 1,6%, e os serviços prestados às famílias, que cresceu 4,4%.

Em termos regionais, onze unidades da Federação cresceram na comparação com os três primeiros meses do ano passado, sobressaindo-se o Estado de São Paulo (+4,6%), enquanto as regiões Norte (-1,0%) e Nordeste (-1,9%) seguem apresentando retrações.

Economia

Compartilhe

Serviços

Compartilhe

Pesquisa

Compartilhe

IBGE

Compartilhe