Liberação dos Recursos dos Saques do FGTS terá impacto positivo no Comércio

AddToAny buttons

Compartilhe
25 A 26 jul 19
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
CNC calcula em pelo menos R$ 7,4 bilhões o efeito direto da liberação dos recursos no comércio varejista
CNC calcula em pelo menos R$ 7,4 bilhões o efeito direto da liberação dos recursos no comércio varejista
Crédito
Freepik

Em relação à liberação dos recursos das contas do FGTS e PIS/PASEP anunciada hoje, 24 de julho, pelo governo federal, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) avalia que a medida deverá ter impacto positivo sobre o comércio no segundo semestre deste ano.

“Com base nas informações divulgadas até o momento, estimamos um impacto direto de pelo menos R$ 7,4 bilhões no comércio varejista no segundo semestre de 2019 com os recursos extras obtidos. Consideramos ainda que a redução do endividamento e a regularização de dívidas em atraso também exercerão impactos indiretos positivos sobre o volume de vendas do comércio nos meses seguintes aos saques, já que liberam espaço no orçamento das famílias para outros gastos”, avalia o presidente da CNC, José Roberto Tadros. “Somados a outros fatores positivos, como a inflação abaixo da meta, o aumento do emprego e da renda e a perspectiva de queda das taxas de juros, esses recursos extras deverão contribuir positivamente para um ritmo maior de crescimento da economia brasileira”, completa.

Apesar de significativo, o impacto em 2019 deverá ser inferior ao observado em 2017, quando uma medida semelhante de liberação dos recursos do FGTS contribuiu para reduzir o endividamento das famílias, aumentar a regularização de contas ou dívidas com pagamento em atraso e ajudou a impulsionar a venda de bens duráveis e não duráveis. Naquele ano, do total de R$ 44 bilhões retirados no fundo, com saques de valor médio de R$ 1.704,00, a CNC estimou que R$ 10,8 bilhões - cerca de 25% do montante - foram utilizados para o consumo no comércio varejista. O restante foi utilizado para o pagamento de outros gastos e os trabalhadores priorizaram o pagamento de dívidas.

Quadro comparativo - Impacto estimado dos saques do FGTS e do PIS/Pasep