Sumário Econômico - 1581

AddToAny buttons

Compartilhe
Imagem Sumário
Crédito
GECOM/PV

CNC projeta primeiro avanço anual dos serviços em cinco anos - De acordo com a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada em 12/07 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em maio, o volume de receitas do setor de serviços se manteve estável na comparação com o mês imediatamente anterior, já controlados os efeitos sazonais. Assim, pela primeira vez desde dezembro do ano passado, o setor de serviços deixou de registrar queda por dois meses consecutivos. A recuperação do setor tem sido lenta, se comparada a outros setores da economia. Atualmente, o volume mensal de receitas do setor de serviços ainda se encontra 11,8% abaixo do pico de atividade ocorrido em janeiro de 2014. O setor terciário é o principal empregador da economia e maior responsável pela formação do Produto Interno Bruto (PIB).

Acordo Mercosul-União Europeia - Após 20 anos do início das negociações, Mercosul e União Europeia (UE) firmaram um acordo de livre-comércio. Devido à grande importância da União Europeia para a economia brasileira, o acordo traz amplas oportunidades. A UE é o segundo maior parceiro comercial do Brasil, ficando atrás somente da China, e um dos principais investidores diretos. Atualmente, a corrente de comércio do Brasil com o bloco é de US$ 76,9 bilhões. Em 2018, o Brasil exportou US$ 42,1 bilhões para a União Europeia, o que correspondeu a 17,6% do total, o segundo principal destino das exportações. A pauta de exportações para a UE é bastante diversificada, com 56% de participação de produtos industrializados. Com relação às importações, 18,7% do total das importações vieram da UE.

Propostas de reforma tributária - O sistema tributário brasileiro é bastante complexo, e vários economistas encontraram formas diferentes de solucionar esse problema. A forma com maior apoio é a elaborada pelo próprio Congresso, com texto de autoria do deputado Baleia Rossi e baseada nos trabalhos dos economistas Bernard Appy e Luiz Carlos Hauly. O princípio é substituir cinco tributos atuais por um único imposto de valor agregado. Com isso, o PIS (Programa de Integração Social), a Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) e o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), de âmbito federal, mais o ICMS (Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação), de âmbito estadual, e o ISS (Imposto sobre Serviços), de âmbito municipal, seriam substituídos pelo IBS (Imposto sobre Bens e Serviços). Além dele, também seria criado um imposto seletivo sobre bens e serviços que apresentam características negativas, como os cigarros e bebidas alcoólicas, por exemplo.

Empresa Simples de Crédito (ESC) - Durante o seminário Pense Primeiro nas Pequenas, realizado na Confederação Nacional da Indústria do Distrito Federal (CNI-DF) no dia 26 de junho passado, a Associação Nacional de Fomento Comercial (Anfac) divulgou cartilha elaborada com o fito de explicar a Empresa Simples de Crédito (ESC). A ESC entrou em vigor a partir de 24 de abril deste ano quando foi sancionada a Lei Complementar nº 167. Através da cartilha, a Anfac dispõe-se a abrigar as ESC como afiliadas da associação. Para isso, concede as mesmas vantagens que as demais organizações usufruem na Anfac quando se associam. A cartilha é bem organizada didaticamente na forma de perguntas e respostas, em uma linguagem simples e acessível a fim de facilitar a compreensão do empreendedor e auxiliar na gestão da ESC. Durante o evento da CNI, o presidente da Anfac informou que já foram criadas no Brasil 96 ESC. Em um ano, estima que o número chegue a 1,5 mil.