10º Festival Internacional Sesc de Música terá Orquestra Sinfônica Acadêmica no encerramento

AddToAny buttons

Compartilhe
30 A 31 jan 20
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
A cada ano o festival traz novas atrações para fortalecer o ensino da música
A cada ano o festival traz novas atrações para fortalecer o ensino da música
Crédito
Divulgação

30/01/2020

Tradicional na cidade de Pelotas, no Rio Grande do Sul, o Festival Internacional Sesc de Música termina sua 10º edição nesta sexta-feira (31), consolidando-se como um dos maiores eventos musicais do Sistema Comércio. O evento reúne alunos de todo o Brasil que participam de aulas de 24 cursos, sendo 19 de instrumentos, canto lírico, composição, choro, prática de orquestra e prática de banda sinfônica, além de ensaios e apresentações. Orquestras do Pará e de Roraima e componentes do Mato Grosso do Sul, Maranhão, Minas Gerais, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe se juntaram a centenas de outros estudantes de música de 22 estados.

A Orquestra Sinfônica Acadêmica e o Grupo Tholl encerrarão o 10º Festival com um espetáculo no Largo do Mercado Público, às 20h30. Sob a regência do maestro Evandro Matté, 115 alunos do festival demonstrarão a qualidade técnica e o aprendizado resultante dos 12 dias de aulas e ensaios com um repertório complexo e belo, para levar um momento de encantamento ao público, no centro de Pelotas. 

Cerca de 400 estudantes de música foram selecionados, dentre mais de mil inscritos, para ter aulas com 53 professores – instrumentistas, maestros e cantores – vindos de 14 países da América Latina, Ásia, Europa e Oceania.

“Em sua 10º edição, o Festival Internacional Sesc de Música firma sua relação simbiótica com Pelotas, transformando o cenário do município em janeiro e deixando marcas que se perpetuam durante todo o ano. Ao longo de 12 dias, lota espaços públicos, estabelece o encontro do erudito com o popular e, com isto, desmistifica uma hierarquização social produzida ao longo da história da música. Além disso, contribui com projetos sociais, que participam das aulas de instrumentos, de apresentações e que evoluem a cada ano, avistando na música uma oportunidade de inclusão social e crescimento pessoal”, enfatizou o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn. Os espetáculos mesclaram o clássico com a música popular, com concerto para crianças, apresentações de grandes nomes das principais orquestras europeias e de grupos locais comunitários. 

“É um festival que já está consagrado no calendário. Promove cidadania, bem-estar e felicidade para as pessoas, além de trabalhar um objetivo técnico de contribuir para a formação musical, para o desenvolvimento de jovens talentos e para a economia local”, afirmou o gerente de Cultura do Sesc-RS, Sílvio Bento.  

Para renovar a programação e agregar qualidade ao evento, a cada ano o festival traz novas atrações para fortalecer seus três pilares: o ensino da música, a valorização de projetos sociais e a promoção da música de concerto para a população. 

A noite de encerramento vai começar com uma homenagem aos 250 anos do compositor Ludwig van Beethoven, com a obra Egmont Overture. Também serão lembrados os 100 anos da morte do compositor brasileiro Alberto Nepomuceno, através de Batuque, uma de suas composições mais conhecidas que mostra como o artista cearense conseguiu conferir um sotaque brasileiro à música erudita da sua época. 

O público poderá conhecer um pouco da obra de André Mehmari, compositor e pianista brasileiro de reconhecimento internacional que está atuando no festival como professor. Haverá ainda a participação de duas solistas de canto, alunas que mostrarão o potencial da voz, considerada o instrumento musical mais completo. No fim do espetáculo, o famoso Bolero, de Ravel, será tocado, e o Grupo Tholl entrará em cena com uma performance circense para fechar as duas semanas de programação com uma atração que destaca a aptidão de Pelotas para a arte. 

Economia

Um levantamento da Secretaria Municipal de Desenvolvimento, Turismo e Inovação (SDETI) mostra como a música de concerto é capaz de beneficiar a economia da cidade. Elaborado em 2017, o estudo indica que o setor de alimentação apresentou um crescimento de 45% no movimento durante os doze dias do festival, enquanto o setor hoteleiro registrou um aumento de 40% e o comércio uma elevação de 35% em relação aos demais períodos do ano. A SDETI acredita ainda que os números crescem a cada edição, acompanhando a consolidação do evento. Como as apresentações acontecem em diferentes bairros da cidade, a movimentação é pulverizada, com fluxo de pessoas não apenas na região central.

A realização é do Sistema Fecomércio-RS e Sesc, com apoio institucional da Prefeitura Municipal de Pelotas e apoio cultural da Universidade Federal de Pelotas, Universidade Católica de Pelotas, Faculdade Senac, Biblioteca Pública Pelotense, Unisinos, OSPA, Expresso Embaixador, Ecosul, Café 35 e Biri Refrigerantes. A apresentação terá transmissão ao vivo pelo site www.sesc-rs.com.br/festival