Comércio fluminense mais confiante em junho

AddToAny buttons

Compartilhe
19 A 20 jun 19
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
Comércio fluminense mais confiante em junho
Comércio fluminense mais confiante em junho
Crédito
Gecom/CNC

A pesquisa Visão da Economia, realizada pela Fecomércio-RJ, revela que, em junho, 48,9% dos empresários disseram estar confiantes ou muito confiantes com a economia brasileira para o próximo mês, contra 46,4% registrados no mês anterior. O aumento do otimismo também foi verificado em relação à economia fluminense. Embora sempre em menor nível que o otimismo revelado no cenário econômico brasileiro, o percentual de otimistas com a economia fluminense para o próximo mês cresceu de 38,3% verificado em maio, para 41% do mês corrente.

O otimismo para os próximos três meses repetiu o crescimento verificado para o otimismo de curto, anotando variação ainda mais positiva. Para o Brasil, 58,50% estão confiantes ou muito confiantes para os próximos três meses, aumento de 7,4 p.p. diante do mês anterior. Para o Rio de Janeiro, a confiança aumentou 7,1 pontos percentuais e atingiu 51,5%.

O aumento da confiança se refletiu sobre as perspectivas que os empresários fazem a respeito dos resultados futuros de faturamento e número de empregados. Em maio, os empresários esperavam um crescimento de 0,9% do faturamento em três meses; em junho, o aumento esperado subiu para 3,5%. Também em maio, os empresários calculavam que o número de empregados se reduziria em 4,5% em três meses; em junho, a redução esperada diminui para 3,7%.

Para a Fecomércio-RJ, o crescimento da confiança pode ser reputado à diminuição dos ruídos econômicos produzidos pelo governo, como o que aconteceu em decorrência do congelamento do reajuste do preço do diesel da Petrobras em meados de abril.  Os fatos políticos e econômicos que acontecem no presente exercem importância relativa maior na formação das expectativas dos empresários para o próximo mês do que para a formação das expectativas para meses mais distantes. Portanto, a desaceleração do ritmo da atividade contribuiu para o crescimento mais moderado das expectativas para o próximo mês.