Escolas do Sesc-RN mantêm atendimento de psicopedagogia

AddToAny buttons

Compartilhe
26 A 27 jun 20
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
São 83 crianças assistidas pelo projeto, que recebem atendimento semanalmente mesmo a distância em meio a pandemia.
Crédito
Fecomércio-RN

As escolas do Serviço Social do Comércio do Rio Grande do Norte (Sesc-RN), entidade do Sistema Fecomércio, mantiveram o atendimento psicopedagógico às crianças com dificuldade de aprendizado e com necessidades especiais mesmo quando as aulas passaram ocorrer a distância, devido a pandemia da Covid-19.

Ao todo, são 83 crianças da educação infantil e ensino fundamental atendidas, nas unidades Zona Norte, Potilândia, Macaíba, Mossoró e Caicó.

O trabalho acontece individualmente com cada família, pois envolve os pais e os alunos com necessidades especiais ou que precisam avançar no processo de ensino e aprendizagem.

“Da mesma forma que demos continuidade às aulas das nossas escolas de forma on-line, não poderíamos deixar de atender aos alunos que possuem estas necessidades. Tanto eles quanto suas famílias precisam de um acompanhamento mais individualizado, para que possam evoluir de forma igual, junto com o restante dos outros alunos de sua turma”, explicou o presidente do Sistema Fecomércio-RN, Marcelo Queiroz.

Os encontros acontecem uma vez na semana por meio digital e é possível interagir com sucesso, propondo atividades lúdicas como jogos e oficinas pedagógicas, com o objetivo maior de não perder o vínculo com a escola e com o aprendizado.

As psicopedagogas trabalham também as habilidades motoras, a concentração e demais situações específicas de cada necessidade.

Para o diretor regional do Sesc-RN, Fernando Virgilio, a equipe da Educação acertou ao manter o serviço ativo, mesmo a distância, pois o isolamento social vem exigindo cada vez mais um olhar diferenciado da sociedade. “A pandemia da Covid-19 causou inúmeras dificuldades na vida das pessoas, sobretudo, entre aquelas que necessitam de algum atendimento especial. São problemas familiares, de saúde mental e física que precisam ser monitorados diariamente”, afirmou.