Jogos Indígenas reúnem atletas no Sesc Universitário de Goiânia

AddToAny buttons

Compartilhe
20 A 21 nov 19
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
Índios, calungas, quilombolas e africanos participaram da 1ª edição dos jogos
Índios, calungas, quilombolas e africanos participaram da 1ª edição dos jogos
Crédito
Fecomércio-GO

20/11/2019


Mais de 200 atletas participaram da 1ª edição dos Jogos da União dos Indígenas Residentes em Goiânia (UNIRG), realizados entre 15 e 17 de novembro, no Sesc Universitário, em Goiânia. Durante os três dias de evento, índios de 18 etnias, além de calungas, quilombolas e africanos, disputaram as modalidades futsal e arco e flecha, nas categorias masculino e feminino. Mais de 600 pessoas assistiram aos jogos e participaram da Feira de Artesanatos Indígenas que também compôs a programação.

“Tivemos uma ótima devolutiva por parte dos times participantes e atletas envolvidos. Foram dias de imersão cultural, compartilhamento de tradições e vivências de lazer. Ver cada time e tribo mostrando a importância desta inclusão para a formação desportiva brasileira foi maravilhoso. Povos que mesmo sofrendo com a discriminação seguem lutando e mostrando a importância do desporto na formação e interação dos indígenas”, relatou organizador dos Jogos, Dione Rezende, assessor técnico de recreação do Sesc.

O presidente do Sistema Fecomércio-Sesc-Senac-GO, Marcelo Baiocchi ressaltou a missão do Sistema. “Nós impactamos a vida das pessoas e desejamos fazer a diferença, apoiando esta cultura que é de fundamental importância para nós”, destaca. 

Segundo a organização, 80% dos competidores são estudantes e boa parte deles possui o cartão Sesc. O coordenador dos esportes indígenas da UNIRG, Leomar Wainné Xerentem ressalta que o evento cumpriu com objetivo de promover o intercâmbio cultural entre os povos. 

“O Sesc sempre tem nos apoiado e isso é importante porque precisamos de espaço dentro da comunidade não indígena. Na aldeia, cada etnia tem sua organização social e chegar em uma cidade grande é outra realidade pois muitos vem de outros estados e isso acaba dificultando a união de todos”, disse.

Para o diretor do Sesc-Senac, Leopoldo Veiga Jardim, um dos objetivos do Sesc é justamente oferecer lazer e assistência. “Saber que além disso também tivemos a oportunidade de fortalecer e apoiar a cultura indígena é uma grande satisfação”, afirma.

Os vencedores das competições foram premiados com troféus e medalhas e também receberam uniformes e bolas como forma de incentivo ao esporte.