Novo decreto autoriza funcionamento de lojas de calçados e vestuário no DF

AddToAny buttons

Compartilhe
18 A 19 mai 20
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
Fecomércio-DF espera que todas as categorias do comércio reabram em breve.
Crédito
Freepik

Nessa segunda-feira, (18/05), o comércio no Distrito Federal reabriu as portas. Contudo, a Federação do Comércio do DF diz que muitas atividades ainda estão limitadas e defende novas medidas para que o setor do comércio possa, por completo, abrir suas portas.

O governador Ibaneis Rocha (MDB) liberou neste sábado, (16/05), por meio de decreto publicado em edição extra do Diário Oficial, o funcionamento de lojas de calçados, roupas, serviços de corte e costura, e lojas de extintores.

Segundo a norma, as atividades são permitidas por meio de entrega e retirada no local, sem abertura do estabelecimento. O horário de atendimento será das 11h às 19h.

Na avaliação do presidente da Fecomércio-DF, Francisco Maia, a medida não supre as necessidades do setor que sofre com a crise, mas tem a cautela necessária para o momento. “O decreto não atende o que os setores querem, pois gostaríamos que fosse reaberto todo o comércio como era esperado, principalmente os shoppings. Existia muita expectativa de que se resolvesse tudo nesta segunda-feira, mas não aconteceu devido a decisão judicial”, explica.

Ainda de acordo com Francisco Maia, os empresários não aceitaram bem a decisão, mas a Fecomércio continua em diálogo com o governo e setor produtivo e espera que todo comércio volte a funcionar o quanto antes. “É preciso testar o comportamento tanto do empresário, em cumprir as regras que estão no decreto, quanto da população. Por isso, a cautela é importante para não ter que fechar tudo de novo. Vamos continuar em diálogo”, diz.

As atividades desses serviços são permitidas por meio de operações de entrega em domicílio, pronta entrega em veículos e retirada do produto no local, sem abertura do estabelecimento para atendimento ao público em suas dependências. Entre as medidas de segurança recomendadas para o funcionamento estão a aferição de temperatura de consumidores e empregados, além de fornecimento de equipamentos de proteção.