Programa Em Frente com a Gente, da Fecomércio-DF, debate novo cenário no mercado de trabalho

AddToAny buttons

Compartilhe
05 A 06 out 20
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
Com abertura do presidente da Federação, Francisco Maia, live reuniu especialistas para falar do perfil do profissional pós-covid
Com abertura do presidente da Federação, Francisco Maia, live reuniu especialistas para falar do perfil do profissional pós-covid
Crédito
Fecomércio-DF

A Fecomércio-DF realizou live, no dia 16 de outubro, no site do programa Em Frente com a Gente, com o tema: Competências do Profissional Pós-Covid. Os convidados para falar do assunto foram: a diretora executiva da Spot Pessoas e Resultados, sócia da Stag Central de Estratégias e Conselheira da Câmara de Mulheres Empreendedoras da Fecomércio-DF, Caroline Borges, e o sócio fundador da escola Akasha e sócio da Rede Look’n Feel e da Vai Bem Gelados, Luís Carlos Costa. O presidente da Fecomércio, Francisco Maia, abriu o encontro e destacou que a Federação tem se preocupado com as demissões, falências e dívidas das empresas. Para ele, essas lives são para trazer conhecimento para que o profissional e o empreendedor possam estar conectados com as inovações do momento.

“Nossa ideia é trazer o empresário para esse novo mundo que está surgindo. Se fala muito que fechar é fácil, o difícil é retomar, recomeçar, e esse retorno tem sido muito complicado, principalmente no ponto de vista operacional, já que a mão de obra está seguindo um caminho diferente, com as inovações. O mercado precisa ser reformado e reciclado para abrir novas oportunidades. Esse é o nosso objetivo com as nossas conversas on-line”, enfatizou Francisco Maia.

Carolina Borges disse, durante a live, que o tema das competências para o futuro é recorrente e não acontece só no DF, mas em todo o mundo. Para isso, existem programas com o intuito de ajudar as pessoas a se realocar, como é o caso do Em Frente com a Gente – projeto da Fecomércio-Sesc-Senac, em parceria com o Sebrae-DF. “É preciso ter direcionamentos, as incertezas são muitas. Hoje, vemos a necessidade de estruturas mais flexíveis, como a mão de obra temporária, que pode ajudar o empreendedor nessa sazonalidade. A conexão com o time também vem sendo difícil fazer, assim como manter a produtividade nesse cenário. Para retomar, é preciso se preparar”, disse Carolina, que trabalha também com uma escola de negócios, que está com uma parceria com a Fecomércio. Para saber mais sobre os cursos e treinamentos, basta enviar um e-mail para: clubedoemrpesario@fecomerciodf.com.br.

Competências mais valorizadas

Luís Carlos Costa falou sobre a metodologia de trabalho de sua empresa, a Akasha – escola de conhecimento facilitado, onde são criados cursos, workshops, palestras e conteúdos on-line para conectar as ideias e a habilidade que vão permitir criar o futuro da sua empresa. Luís também ressaltou as mudanças ocorridas durante o ano de 2020, que foram muitas. “Tivemos a digitalização forçada, as pessoas foram para o home office e o boom do e-commerce. Além da quebra das fronteiras físicas para contratação. O trabalho também mudou, já que o colaborador está tendo que conviver com uma hiperconvivência domiciliar e familiar. De março para cá, desde o início da pandemia, muita coisa aconteceu, e agora conseguimos enxergar várias linhas de tendências e movimentos”, disse. “Os negócios mudaram, o jeito de se trabalhar também, assim como o jeito de vender, de desenvolver e de entregar. Será que todas as habilidades que garantiam sucesso pré-2020 ainda garantem? Por isso, é necessário ter novas habilidades”, avaliou.

Foi apresentada uma pesquisa, realizada pelo Linkedin Learning, sobre as dez competências do futuro, são elas: criatividade, colaboração, transparência, compartilhamento, empatia, espírito empreendedor, capacidade de experimentação, inteligência emocional, colaboração e mindfulness. “Entre os principais estão: inteligência emocional, já que nunca tivemos com a segurança psicológica tão ameaçada, e o espírito empreendedor, que não tem nada a ver com abrir empresa, e sim em ter iniciativa, postura e inovação”, disse Luís Carlos.