Setor de eventos reage e negocia calendário para próximo semestre em SC

AddToAny buttons

Compartilhe
29 A 30 abr 20
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
A Fecomércio-SC realizou sondagem para apurar os impactos da pandemia nesta cadeia produtiva, que envolve de serviços de montagem, de estruturas, a alimentação e logística. A pesquisa auxiliará a entidade a pensar alternativas para o trade turístico.
Crédito
Fecomércio-SC

Um dos primeiros afetados pelas restrições impostas pelo Covid-19, o setor de eventos vive um cenário de incertezas em Santa Catarina, em meio a contratos suspensos, ajustes para manutenção de equipes, negociação com fornecedores e discussão de novos calendários.

 A Fecomércio SC, em parceria com o Blumenau e Vale Europeu Convention & Visitors Bureau e a Associação Blumenauense de Turismo, Eventos e Cultura (Ablutec), realizou sondagem para apurar os impactos da pandemia nesta cadeia produtiva, que envolve empresas de diferentes segmentos – de serviços de montagem de estruturas a alimentação e logística.

A sondagem online, realizada entre os dias 03 e 13 de abril, traz o perfil das empresas entrevistadas, reflexos no setor, status das negociações com clientes e fornecedores, novas práticas sanitárias, mudanças no comportamento dos consumidores e a perspectiva do setor. Foram entrevistados 28 empresários do setor de organização de eventos com empresas em Santa Catarina ou que atuam no Estado.

Leia a pesquisa completa.

Cooperação do setor

A negociação é a tônica do momento. Conforme a sondagem, a maior parte (47%) dos eventos foram remarcados com clientes para o próximo semestre; não tiveram agendamento de nova data (22%); serão realizados assim que for permitido (19%); ou foram marcados para o próximo ano (11%).

“Para evitar o efeito cascata nesse mercado, que trabalha basicamente com prestadores de serviços terceirizados, o empresário deve optar pelo reagendamento do evento quando possível, negociar prazo de pagamento de financiamento, flexibilizar contratos com parceiros e manter o networking ativo. Assim como os outros setores, é hora de repensar os custos fixos, utilizar tecnologia como aliada, como as plataformas para transmissão online, e ter um planejamento financeiro bem estruturado para sobreviver em tempos de recessão”, afirma o presidente da Fecomércio-SC, Bruno Breithaupt.

Perspectivas incertas

O comportamento do mercado pós-pandemia ainda é incerto. Para os entrevistados, a tendência é de preferências por eventos locais ou regionais para que o público possa evitar grandes deslocamentos aéreos (26%), evitar a aglomeração de pessoas (23%) e a reavaliação do propósito dos eventos (23%).

Mudança de regras

Em 8 de abril, foi publicada a MP n° 948, que estabelece novas regras para cancelamento de eventos- incluídos shows e espetáculo-, serviços e reservas dos setores de turismo e cultura. O artigo 2 prevê que o prestador de serviços ou empresa não será obrigado a reembolsar os valores pagos pelo consumidor desde que garantam a remarcação dos eventos,  serviços ou reservas cancelados; disponibilizem crédito para uso ou abatimento na compra de outros eventos,  serviços ou reservas, disponíveis nas  empresas; ou outro acordo a ser formalizado com o consumidor.

Leia mais no site da Fecomércio-SC.