19 July, 2017

Choque de produtividade

Antonio Oliveira Santos, presidente da CNC

Crédito: Ascom/CNC

Antonio Oliveira Santos, presidente da CNC

Adicionar aos meus Itens 

Em artigo no Correio Braziliense, intitulado “Choque de produtividade”, o presidente da CNC, Antonio Oliveira Santos, destaca que “não basta recompor a trajetória das contas públicas, varrendo da cena brasileira o que se convencionou chamar de ‘dominância fiscal’ para repor o País na trilha do desenvolvimento sustentado. É preciso que, em paralelo, mediante mudanças na estrutura da economia, se torne um País competitivo, tanto interna como externamente, o que pressupõe uma onda de investimentos bem orientados, seja em capital físico, seja em capital humano”. Ele observa que essas reflexões estão em um estudo sobre produtividade, elaborado por economistas da Fundação Getúlio Vargas. “Nesse estudo, a razão entre recurso empregado e resultado obtido, isso é, a produtividade, abrange determinado grupo de países e seus principais setores de atividade econômica, agropecuário, indústria e serviços que se relacionam com o índice de produtividade total. A referência para fins de comparação são os Estados Unidos, mas no rol dos 11 países listados estão nações desenvolvidas como França e Japão e emergentes como Índia e México, além do Brasil, principal objeto do ensaio”.

Oliveira Santos ressalta que nossa maior debilidade para aumentar a produtividade do trabalho está concentrada na baixa eficiência da infraestrutura econômica, sobretudo no sistema de transporte rodoviário e urbano, medida pelo número de horas perdidas. “Essa deveria ser, a nosso ver, opção clara do governo para priorizar os projetos que vão compor o Programa Avançar, criado em substituição ao antigo PAC, do governo Dilma Rousseff. Da mesma forma, seria fundamental dar a devida atenção aos investimentos em educação e aos avanços da ‘inteligência artificial’, com vistas ao aumento da produtividade.”

 

Clique aqui e acesse o artigo na íntegra.

 

Comments

0

Os comentários serão moderados, portanto evite o uso de palavras chulas, termos ofensivos ou comunicação vulgar. Se tiver alguma dúvida sobre o tema abordado aqui, use a nossa Área de Atendimento. Talvez a resposta já esteja lá.

Post new comment

The content of this field is kept private and will not be shown publicly.