16 March, 2017

Fecomércio-RS entrega Agenda Legislativa 2017 com posicionamento sobre 86 proposições estaduais e federais

Adicionar aos meus Itens 

A Fecomércio-RS entregou nesta quarta-feira (15/3) a Agenda Legislativa 2017, publicação que elenca projetos de lei e proposições em tramitação em nível estadual e federal que impactam diretamente sobre a economia do setor terciário. O lançamento ocorreu na presença de parlamentares da bancada federal gaúcha no Congresso Nacional.

Compareceram ao evento 13 deputados e um senador. O presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn, repete a apresentação da Agenda Legislativa na próxima quarta-feira (22), em solenidade na Assembleia Legislativa, junto aos deputados gaúchos.

A edição deste ano reúne no mesmo documento 32 proposições estaduais e 54 federais consideradas relevantes que ganham a manifestação favorável ou contrária da entidade. A publicação, que teve início em 2010, contém os principais projetos que são acompanhados de perto pela Federação junto ao Poder Legislativo e ao Congresso Nacional, com o posicionamento formal dos empresários do comércio, serviço e turismo sobre os temas que repercutem no cotidiano de suas atividades.

De acordo com o anfitrião do evento, a produção da Agenda Legislativa busca dar publicidade aos posicionamentos dos empresários. “Eles refletem as bandeiras defendidas por nossa entidade. Teremos um ano de muito trabalho pela frente, com a oportunidade das reformas tão aguardadas pela sociedade”, afirmou Bohn.

A Agenda Legislativa 2017 elenca matérias que dizem respeito à gestão pública, sistema tributário, legislação trabalhista e sindical e relações de consumo. Entre os projetos que levam o aval da entidade está o que exige a realização de plebiscito para a criação de empresas públicas, em tramitação no Legislativo gaúcho.

“Há um desequilíbrio na Constituição do Estado, uma vez que exige a realização de plebiscito para a extinção de empresas estatais ou sociedades de economia mista, mas não faz a mesma exigência para a criação”, argumenta o presidente Luiz Carlos Bohn. Outro projeto apoiado pela entidade é o que acaba com o pagamento de subsídios a ex-governadores do Estado. De acordo com Bohn, a grave situação fiscal do Rio Grande do Sul não comporta mais benefícios desta ordem.

Em nível federal, a Fecomércio-RS se posiciona a favor da PEC 470/2005, que trata do fim do foro privilegiado para deputados e senadores, por entender que se trata de um benefício “injustificável”. “Sua extinção representa uma sociedade mais justa, com maior equidade de direitos e deveres”, afirma Bohn. Já em relação à PEC 140/2015, que trata da recriação da CPMF, o parecer é contrário. “O governo, ao invés de solucionar a crise fiscal por meio do controle de seus gastos, transfere o ônus decorrente de sua política fiscal irresponsável à iniciativa privada. A sociedade já paga impostos demais”, destacou o presidente da federação.

Reforma tributária

Durante o evento, Bohn destacou que para retomar o desenvolvimento econômico e social também precisamos da Reforma Tributária, que, esperamos, simplifique a arrecadação de tributos e conceda mais segurança jurídica aos contribuintes, sem aumento de carga tributária. “É preciso que o Brasil gere mais empregos. E isso não vai acontecer com a mesma legislação de 70 anos atrás. Por isso, os parlamentares têm a responsabilidade histórica de realizar a Reforma Trabalhista, para que as leis que regem a relação entre os empreendedores e seus colaboradores estejam alinhados à realidade do século 21.

 

Fonte: Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado do Rio Grande do Sul

Comments

0

Os comentários serão moderados, portanto evite o uso de palavras chulas, termos ofensivos ou comunicação vulgar. Se tiver alguma dúvida sobre o tema abordado aqui, use a nossa Área de Atendimento. Talvez a resposta já esteja lá.

Post new comment

The content of this field is kept private and will not be shown publicly.