17 April, 2018

Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho auxilia empresariado e sociedade

Adicionar aos meus Itens 

Representantes da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e do Sistema Comércio participaram, no dia 8 de março, em Brasília, de uma reunião no Ministério da Fazenda, coordenada pelo procurador do Trabalho Luiz Fabiano de Assis, com a finalidade de apresentar os levantamentos feitos pelo Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho para criação de um banco de dados de acompanhamento dos acidentes de trabalho. O Observatório é uma ferramenta do Ministério Público do Trabalho (MPT), concebida em parceria com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), que permite, por meio de cruzamento de dados e estatísticas, monitorar informações sobre acidentes de trabalho e seus impactos na saúde e economia. 

São entidades parceiras no Observatório a Organização Internacional do Trabalho (OIT), o Ministério da Saúde, a Secretaria Nacional da Previdência Social, governos estaduais e municipais. Pela Confederação, participou Luis Sérgio Soares Mamari, assessor executivo da Divisão de Saúde da CNC. Também estiveram presentes ao encontro José Almeida de Queiroz, consultor da Presidência da Fecomércio-PE, Marcelo Nascimento, advogado da Fecomércio-MG, e Regina Almeida de Queiroz, assessora Jurídica da Associação Catarinense de Supermercados (Acats). 

Importância do tema 

Alguns dados apresentados durante o encontro chamam a atenção para a necessidade de monitoramento de informações sobre acidentes de trabalho. Estatísticas de 2012 a 2017 mostram que o custo de despesas com acidentes de trabalho (benefícios, hospitalizações, tratamentos e medicamentos) foi de R$ 26 bilhões; durante o mesmo período, foram contabilizados 646 mil acidentes de trabalho por ano; 315 milhões de dias de ausência do trabalho; e 15 mil mortes notificadas. “O sistema é de extrema valia a toda a sociedade, apresentando dados precisos que muito podem auxiliar o setor empresarial na identificação, estratificação e distribuição regional dos acidentes de trabalho, seus fatores de risco e na implementação de medidas e programas preventivos. De maneira objetiva, o sistema apresenta informações sobre acidente de trabalho, podendo, inclusive, de modo comparativo, realizar pesquisas por setor, tipos de acidente, custos, dentre outros”, afirma Alexandre de Marca, chefe da DSRH.

 

 

Comments

0

Os comentários serão moderados, portanto evite o uso de palavras chulas, termos ofensivos ou comunicação vulgar. Se tiver alguma dúvida sobre o tema abordado aqui, use a nossa Área de Atendimento. Talvez a resposta já esteja lá.

Post new comment

The content of this field is kept private and will not be shown publicly.