3 February, 2016

Sistema CNC-Sesc-Senac participa de mobilização contra o mosquito da zika

imagem de campanha do ministério da saúde

Crédito: Divulgação Ministério da Saúde

A epidemia causada pelo zika vírus foi classificada como emergência mundial pela Organização Mundial da Saúde e está sendo assoc

Adicionar aos meus Itens 

O combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya, foi debatido na 277ª reunião do Conselho Nacional de Saúde (CNS), que contou com a participação da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A articulação entre os diversos setores da sociedade, entre eles o empresariado, foi avaliado como ponto fundamental para o sucesso das ações.

A epidemia causada pelo zika vírus foi classificada como emergência mundial pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e está sendo associada a milhares de casos de microcefalia em recém-nascidos no Brasil. A reunião do CNS foi realizada em um contexto de mobilização do governo e da sociedade em ações para impedir a reprodução do mosquito transmissor da doença. Para o ministro da Saúde, Marcelo Castro, as palavras-chave para conter o avanço das doenças causadas pelo mosquito Aedes aegypti são mobilização, intensificação e articulação. O governo federal arregimentou a participação de 220 mil militares e 300 mil agentes públicos em ações por todo o País.

O Sistema CNC-Sesc-Senac já é parceiro do Ministério da Saúde no combate à dengue, divulgando as campanhas governamentais. No dia 28 de janeiro, por exemplo, o Departamento Nacional do Sesc realizou uma ação de capacitação, o Sesc Alerta - Combate ao Aedes aegypti, Dengue, Zika e Chikungunya. O evento teve a participação da Dra. Denise Valle, bióloga e pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz e da Dra. Renata Beranger, médica infectologista do Hospital Samaritano. O Departamento Nacional do Senac por intermédio da Cipa, também está realizando ação de prevenção junto aos colaboradores, assim como a CNC.

O Dr. Alexandre de Marca, chefe da Divisão de Saúde da Confederação, que é conselheiro do CNS, esteve presente à reunião. Ele ressaltou que o combate ao Aedes aegypti constitui-se em prioridade número 1 na saúde pública brasileira, em razão das graves consequências ocasionadas principalmente pelo zika vírus, gerando quadros de microcefalias e suas sequelas neurológicas. “Neste sentido, as entidades do Sistema CNC-Sesc-Senac devem intensificar sua articulação com as Secretarias Municipais de Saúde e demais organismos governamentais, assim como mobilizar a sociedade local e os usuários do Sistema”, alertou.

As principais medidas preventivas, de acordo com o Ministério da Saúde:

• Tampe os tonéis e caixa d’água;

• Mantenha as calhas sempre limpas;

• Deixe garrafas sempre viradas com a boca para baixo;

• Mantenha lixeiras bem tampadas;

• Deixe ralos limpos e com aplicação de tela;

• Limpe semanalmente ou preencha pratos de vasos de plantas com areia;

• Limpe com escova ou bucha os potes de água para animais;

• Retire água acumulada na área de serviço, atrás da máquina de lavar roupa.

• Cubra e realize manutenção periódica de áreas de piscinas e de hidromassagem;

• Limpe ralos e canaletas externas.

• Atenção com bromélia, babosa e outras plantas que podem acumular água;

• Deixe lonas usadas para cobrir objetos bem esticadas, para evitar formação de poças d’água;

• Verifique instalações de salão de festas, banheiros e copa.

Cuidados no uso de repelentes e inseticidas:

• Repelentes de uso tópico devem ser aplicados nas áreas expostas do corpo e por cima da roupa;

• A reaplicação deve ser realizada de acordo com indicação de cada fabricante;

• Para aplicação da forma spray no rosto ou em crianças, o ideal é aplicar primeiro na mão e depois espalhar no corpo, lembrando sempre de lavar as mãos com água e sabão depois da aplicação.

• Em caso de contato com os olhos, é importante lavar imediatamente a área com água corrente.

Recomendações às gestantes:

• Acompanhamento em consultas de pré-natal, com a realização de todos os exames recomendados pelo médico;

• Adoção de medidas que eliminem a presença de mosquitos transmissores de doenças e seus criadouros (retirar recipientes que tenham água parada e cobrir adequadamente locais de armazenamento de água);

• Proteção contra mosquitos, com portas e janelas fechadas ou teladas;

• Uso de calça e camisa de manga comprida e com cores claras;

• Denúncia de locais com focos do mosquito à prefeitura;

• Uso de mosquiteiros, pois proporcionam boa proteção para aqueles que dormem durante o dia;

• Uso de repelentes indicados para gestantes.

• Não usar medicamentos sem orientação médica.

Fonte: Ministério da Saúde

Comments

0

Os comentários serão moderados, portanto evite o uso de palavras chulas, termos ofensivos ou comunicação vulgar. Se tiver alguma dúvida sobre o tema abordado aqui, use a nossa Área de Atendimento. Talvez a resposta já esteja lá.

Post new comment

The content of this field is kept private and will not be shown publicly.