12 February, 2016

Turismo se mobiliza para combater o Aedes aegypti

Turismo se mobiliza para combater o Aedes aegypti

Crédito: Divulgação

Turismo se mobiliza para combater o Aedes aegypti

Adicionar aos meus Itens 

O turismo está mobilizado para combater o mosquito Aedes aegypti, transmissor das doenças dengue, vírus zika e febre chikungunya. O Ministério do Turismo tem desenvolvido um conjunto de ações para informar ao setor a necessidade de eliminação dos criadouros do mosquito e os cuidados necessários para proteger a população. Desde janeiro, a pasta tem encaminhado material informativo para cerca de 56 mil estabelecimentos em diversos cantos do país (hotéis, bares e restaurantes, agências de viagens e transportadoras) com orientações de combate ao mosquito.

“Entendemos que essa é uma luta de toda a sociedade brasileira e o nosso setor está 100% comprometido com a tarefa de eliminar o mosquito da nossa sociedade. Estou confiante que sairemos vitoriosos. Um mosquito não é mais forte que um país”, assegurou o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves.

No material estão listadas as medidas que devem ser tomadas nos locais com potencial para proliferação do mosquito como jardins, quintais, cozinhas, piscinas, depósitos e banheiros. Alguns hotéis têm utilizado o material recebido para alertar aos hóspedes sobre a presença do mosquito e como se prevenir, outros vão fazer ações educativas com os trabalhadores para prevenção do inseto no local de trabalho e em casa.

Para Juliana Giron, gerente de vendas do hotel Sol Ipanema, no Rio de Janeiro, os informativos do Ministério do Turismo têm auxiliado no trabalho de esclarecimento dos hóspedes. “Os profissionais que estão mais em contato com os turistas como recepcionistas, mensageiros e seguranças têm orientado os viajantes quando perguntados sobre a prevenção. Queremos informar, sem assustar”, afirma.

No Rio de Janeiro, todos os locais de obras de instalações olímpicas e seus arredores também já recebem visitas ininterruptas dos agentes de vigilância ambiental em saúde para controle de possíveis focos do mosquito e esse trabalho será intensificado a partir de abril, segundo a secretaria municipal de saúde.

Segundo informações do Ministério da Saúde, mais de 30% dos estabelecimentos no Brasil (comércio, órgãos públicos e residências) já foram vistoriados por agentes de saúde ou das Forças Armadas para combate ao Aedes aegypti. Durante a visita são dadas orientações de combate ao foco de proliferação do mosquito, muitas vezes, a prevenção já é feita na hora.

Outras iniciativas

Os hotéis da rede Pestana também colocaram informativos na recepção para alertar os turistas sobre o mosquito Aedes Aegypti. Para o gerente de operações do hotel em Natal, Marcelo Ferrari, os hóspedes que chegam ao estabelecimento estão bem informados sobre o assunto.

Com enfoque nos funcionários, o hotel Serhs Natal Grande Hotel, na capital do Rio Grande do Norte, está organizando palestras para explicar aos trabalhadores a importância da prevenção ao mosquito, não só no estabelecimento, como nas próprias casas dos trabalhadores.

Na rede de hotéis Plaza, em Brasília, o foco do combate ao mosquito tem sido feito junto aos funcionários. “Fechamos as caixas d´água, colocamos remédio nas grelhas de águas pluviais e também fazemos uma dedetização sistemática de combate às pragas”, diz Helder Carneiro, diretor da rede.

Sistema Comércio

O Sistema CNC-Sesc-Senac também está participando da mobilização nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor de zika, dengue e chikungunya.

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo participou da 277ª reunião do Conselho Nacional de Saúde (CNS), em que o assunto teve prioridade. A articulação dos diversos setores da sociedade, entre eles o empresariado, foi avaliada como ponto fundamental para o sucesso das ações.

Os departamentos nacionais e regionais do Sesc e do Senac, assim como a CNC, vêm desenvolvendo diversas ações de divulgação e conscientização para auxiliar no combate ao Aedes Aegypti.

Fonte: Ministério do Turismo

Comments

0

Os comentários serão moderados, portanto evite o uso de palavras chulas, termos ofensivos ou comunicação vulgar. Se tiver alguma dúvida sobre o tema abordado aqui, use a nossa Área de Atendimento. Talvez a resposta já esteja lá.

Post new comment

The content of this field is kept private and will not be shown publicly.