30 August, 2018

Projeto pioneiro do Sesc Ceará resgata cultura de comunidades litorâneas

Projeto pioneiro do Sesc Ceará resgata cultura de comunidades litorâneas

Crédito: Panela Jr.

Projeto pioneiro do Sesc Ceará resgata cultura de comunidades litorâneas

O Estado do Ceará possui 573 km de extensão litorânea, sendo a sétima maior do Brasil. O mar se estende de um limite ao outro do Estado, banhando, assim, diversas comunidades litorâneas, cada uma com seus saberes, tradições e costumes. São riquezas interligadas pelo mar que, uma vez ao ano, através de um projeto pioneiro do Serviço Social do Comércio do Ceará (Sesc), podem ser trocadas e compartilhadas no Encontro Sesc Povos do Mar. 

Artesãos, marisqueiras, pescadores, quilombolas e indígenas integram o movimento. São povos que lutam para manter suas tradições, sua criatividade na dança, na música, no artesanato, no ofício da pesca, e atravessam gerações, com o seu saber e sua cultura. Há oito anos, o Sesc Ceará iniciou um trabalho de mapeamento das potencialidades dessas comunidades, compreendendo as particularidades de cada território, e, então, desenvolveu esse que é um projeto inédito no Brasil. 

Neste ano, a 8ª edição do Encontro aconteceu junto com a comemoração dos 70 anos do Sistema Fecomércio no Ceará, de 22 a 26 de agosto, no Sesc Iparana Hotel Ecológico. Uma alvorada, marcada pela regata de Jangadeiros da Vila do Mar (Fortaleza), partiu da foz do Rio Ceará, iniciando as atividades. A solenidade oficial de abertura, à noite, contou com a participação do diretor-geral do Sesc, Carlos Artexes; do presidente do Sistema Fecomércio Ceará, Maurício Filizola, conselheiros do Sesc Ceará e autoridades locais. 

Segundo Artexes, é necessário vivenciar o Povos do Mar para ter uma noção da riqueza contida no Encontro. “O Sesc tem o maior orgulho de poder desenvolver esse trabalho. A gente só pode parabenizar o Sesc Ceará”, destaca. De acordo com ele, o Povos do Mar é o maior projeto de desenvolvimento local, territorial que o Sesc possui, uma iniciativa que certamente deve influenciar e mobilizar os demais estados. “É incrível a capacidade que uma instituição tem de mobilizar pessoas e promover um encontro como esse”, observa. 

Vivências

Com uma programação gratuita, quem participou do Encontro pôde mergulhar em memórias, saberes, fazeres e apresentações socioculturais como a dança dos cocos, as atividades náuticas com jangadeiros e barqueiros, degustação do gigante peixe camurupim assado na brasa, além de poder ter uma boa conversa com as rendeiras debaixo dos cajueiros.

O evento contou ainda com oficinas, apresentações artísticas, palestras, práticas alimentares e vivências (trilhas, corrida de zinga, atividades náuticas, etc.), que têm como maior objetivo o firmamento dessa rede intercambiável de identidades. 

Intercâmbio

Para o presidente do Sistema Fecomércio Ceará, Maurício Filizola, o Encontro transformou-se num grande intercâmbio de saberes, sabores e histórias, fortalecendo as comunidades em seus territórios de origem. “Como podemos comprovar, o Sesc Iparana torna-se um palco de reconstrução das memórias coletivas dos povos que nos deram origem”, pontua. 

Filizola ressaltou ainda que o Sistema Fecomércio, ao longo de sete décadas, tem desenvolvido no Ceará programas e projetos que contribuem para a manutenção do nosso patrimônio imaterial. “Agradeço ao pioneirismo e à visão social do nosso presidente antecessor, Luiz Gastão Bittencourt, e da atual diretora do Sesc Rio de Janeiro, Regina Pinho; que possibilitaram que esse grande projeto Encontro Sesc Povos do Mar chegasse até aqui”, finalizou.

Ao todo, participaram cerca de 300 representantes das comunidades litorâneas, além de outros 100 representantes das comunidades vizinhas. Mil e quinhentas pessoas fizeram parte da programação como integrantes de comunidades costeiras e outras mais 15 mil acompanharam a programação como visitantes. O legado do projeto pioneiro é o fortalecimento de uma Rede Social Sesc para defesa das identidades, preservação de suas memórias e o fortalecimento comunitário das comunidades costeiras. 

Comments

0

Os comentários serão moderados, portanto evite o uso de palavras chulas, termos ofensivos ou comunicação vulgar. Se tiver alguma dúvida sobre o tema abordado aqui, use a nossa Área de Atendimento. Talvez a resposta já esteja lá.

Post new comment

The content of this field is kept private and will not be shown publicly.