10 October, 2018

Mudanças e tendências nos eventos

O que mudou e quais são as tendências atuais para o segmento de eventos? Quais são as estratégias e decisões mais assertivas para os negócios do setor? Para responder a questões como essas, o Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade (Cetur) da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) promove hoje, 10 de outubro, o seminário Novos Mercados, Novas Estratégias, terceiro da série Turismo - Eventos em Debate.

Responsável pela realização de mais de 700 eventos de grande porte, nacionais e internacionais, o diretor de Congressos da MCI Brasil e três vezes vencedor do Grand Prix do Prêmio Caio na Categoria de Eventos, Rodrigo Cordeiro, falou na abertura do evento sobre as principais tendências do setor.

Segundo ele, as razões pelas quais as pessoas participam de eventos não são as mesmas de 20 anos atrás. As mudanças sociais e tecnológicas transformaram a essência e a motivação dos eventos, que devem ser organizados ou promovidos com a estratégia correta para atingir o público alvo. Mas ao receber as demandas para um evento, por exemplo, são apontados públicos de interesse, como executivos, diretores de empresas, representantes de governo, professores e estudantes. Ou seja, uma amplitude de públicos com interesses completamente diversos. "Se o que leva um diretor a participar de um evento não é o mesmo objetivo de um estudante, como podemos ofertar o mesmo evento para todos? É preciso pensar numa proposta que pegue essa bola quadrada e a transforme numa bola redonda. O evento não é uma ciência humana, mas uma ciência exata", afirmou Cordeiro.

Para o diretor de Congressos da MCI Brasil, existe uma inteligência estratégica na produção dos eventos, que vai conceber uma grade de programação que tem públicos alvos diversos, e a partir daí se elabora uma trilha de conhecimentos dentro do evento. "Os eventos que se reposicionaram são os que continuaram a crescer no mercado", destacou.

O que se espera de um evento?

Fazendo uma comparação entre o que dominou o mundo dos eventos no passado – como alto investimento em alimentos e bebidas; elevado uso de papelaria; patrocinador visto como quem paga a conta; e participantes como pessoas em busca de conhecimento –, Cordeiro destaca que hoje esse quadro mudou. A sustentabilidade é palavra de ordem, assim como o uso adequado da tecnologia, e as marcas devem estar conectadas com propósitos e causas. Os patrocinadores são compreendidos pelo seu real valor, e as cotas e propostas são pensadas e adequadas ao propósito de cada patrocinador, pensando em entregas que tragam valor para o negócio. Os participantes, por sua vez, têm acesso ao conhecimento em diversas plataformas e buscam eventos para "curtir, comentar e compartilhar". "Enfim a sociedade deixou de comprar produtos para buscar propósitos. As marcas devem despertar paixões e valores reais, e para isso você precisa entregar um diferencial para o patrocinador", disse o diretor.

Um momento de encontro e experiências

"Os encontros são outra expectativa dos participantes de um evento, a organização deve conduzir os encontros que são acidentais e transforma-los em propositais", explicou Cordeiro. Segundo ele, os eventos unem diferentes gerações em um mesmo espaço, por isso é preciso pensar no conteúdo e nas experiências que cada geração quer encontrar. Se antes o foco estava nos temas, palestras e conteúdos, hoje a balança pende para o engajamento, a interatividade, a participação e o network.

É preciso ter a clareza de duas situações? Para quem esse evento existe; e para quem ele é feito. A partir daí, desenha-se tudo que é necessário para ter pessoas que se interessem por ele. "Os clientes já não esperam que sejamos apenas organizadores de eventos", acredita Rodrigo. Ele espera que os eventos qualifiquem e aperfeiçoem as pessoas e as organizações por meio da transferência de conhecimentos; e que aproximem pessoas, valores e culturas visando à troca de tecnologias, técnicas e vivência de experiências. "Não é sobre eventos, é sobre sonhos, é sobre causas, e sobre como transformar isso tudo que se quer e acredita em um mundo real. Sou um apaixonado pelos eventos" finalizou Cordeiro.

Comments

0

Os comentários serão moderados, portanto evite o uso de palavras chulas, termos ofensivos ou comunicação vulgar. Se tiver alguma dúvida sobre o tema abordado aqui, use a nossa Área de Atendimento. Talvez a resposta já esteja lá.

Post new comment

The content of this field is kept private and will not be shown publicly.